segunda-feira, 13 de junho de 2016

#prayfororlando

No post anterior eu falo sobre o choro, por quê?

Porque eu to triste, eu queria fazer um post sobre o que aconteceu em Orlando, mas o que aconteceu é tão inaceitável é tão perturbador que eu não consigo organizar palavras pra dizer o que to sentindo.  To muito triste com o que aconteceu, ontem eu chorei pela vidas e sonhos perdidos, chorei porque poderia ser eu, poderia ser meus amigos, poderia ser meus pais e minha família chorando a perda de um filho, chorei porque o mundo ta doido, porque inocentes estão morrendo pelas loucuras de poucos, poucos que fazem tanto estrago e tanto mal pra tantas pessoas.  Chorei por medo, por tristeza e por saudade de pessoas que ninguém mais vai ter a chance de conhecer porque suas vidas foram roubadas.

Quando esse tipo de atentado a vida acontece eu fico com raiva mas ontem e hoje só o que eu consigo sentir é tristeza.
Sinto muito, muito mesmo, que o mundo ainda esteja tão bagunçado que essas atrocidades ainda aconteçam. Ninguém deveria ter a possibilidade de tirar a vida de outra pessoa, vida é sagrada, única, intransferível e insubstituível. E qualquer crença ou valores que não acredite nisso deve ser substituída por algo melhor.



#prayfororlando
 
Ps: Uma pessoa no Twitter tava perguntando como as pessoas podem pedir pra rezarem se a maioria das religiões são homofóbicas, deixo aqui a mesma resposta que deram pra ela.

"religiões são homofóbicas, mas fé é esperança e suporte e em horas como essa é só o que resta."

Choro...


Faz um tempo que não escrevo (como sempre) mas resolvi escrever hoje, quero falar sobre dois assuntos mas acho que vou fazer dois posts separados, vamos ver como o texto corre.

Eu queria falar sobre o choro, se não me engano já escrevi algo sobre isso por aqui a algum tempo atrás, quando eu era mais nova eu não chorava, tava vendo uma postagem no face falando de alguém que chorou quando o pai do Simba morreu no rei leão e comecei a pensar, eu não chorei, não chorei quando os pais do Tarzan morreram, não chorei quando o Jack do Titanic morreu, em nenhum desses momentos históricos cinematográficos onde todo mundo chorou eu chorei, algumas pessoas diziam que eu era incessível bla bla bla, tipo eu ficava chateada com a cena mas não o suficiente pra chorar e ao longo da minha adolescência e tal, teve momentos que quis chorar, ficava com aquela vontade entalada na garganta, os olhos pedindo pra uma lágrima sair, mas nada.

Quando minha amiga morreu eu chorei por muito tempo, por muitos dias e as vezes ainda choro de saudade. Não sei porque eu não chorava, talvez a “dor” o sentimento não fosse suficiente pra transbordar mas depois que minha amiga morreu eu sinto mais, acho que foi um sentimento de perda tão forte e tão inesperado que seja lá que barreira eu tinha foi derrubada com a força desse sentimento, agora “infelizmente” eu tenho uma facilidade enorme pra chorar e as vezes isso me irrita, mas pelo menos aquilo não fica mais entalado na minha garganta.

sábado, 30 de janeiro de 2016

Primos



Muito tempo que não escrevo aqui, mas hoje me deu vontade de escrever sobre um assunto que sempre roda na minha cabeça.

Eu tenho três primos, na verdade tenho muitos primos mas esses três são mais ou menos da mesma idade que eu, desses três, dois (L e P) são por parte de pai e somos a primeira geração de netos, o outro primo (R) é por parte de mãe.

O L é aquele primo com quem a gente sempre briga, desde pequenos, qualquer foto que você encontrar da gente ele ta fazendo careta pra mim, desde que me lembre a gente sempre discutiu não que eu me importasse, amo ele, ele gostando ou não huahahauah. Sempre me dei melhor com o irmão mais novo dele, foi com esse irmão que assisti HP pela primeira vez no cinema.  Hoje eu sei que a gente nunca se deu muito bem porque somos muito parecidos, sério, somos dois enjoados e em muita coisa pensamos iguais, mas ao contrario do mundo real onde isso faria da gente amigos, somos primos, família, o que já é alguma coisa.

O R é meu primo irmão de sangue de pai e mãe diferente, sempre nos demos bem, não posso dizer que alma gêmea não existe, quando tenho esse cara na minha vida, desde sempre, que me lembre ou não, sempre nos demos bem, somos cúmplices, amigos, irmãos, eu não sou muito de dividir minhas coisas, mas com ele faço questão de dividir, já falei que quando tiver minha casa ele vai ter um quarto pra ele lá, amo de mais esse cara, unica pessoa que pode chegar aqui em casa sem avisar e falar vou dormir ai e eu não mandar se lascar.

E ai tem o P, sabe aquele cara que você quer conhecer, que você quer ser amiga daquela pessoa, mas ele é inalcançável esse é o P, pelo menos era assim que me sentia em relação a ele quando éramos crianças, eu sempre quis ser amiga dele, vivia atrás dele, ele tinha uma prima e vivia sempre com ela, quando era criança eu queria ser aquela prima, sabe aquele desejo que você tem de ser amigo de alguém e a pessoa nem tchum pra você, pois é. Eu ficava muito triste por isso, uma vez ele até me mordeu que machucou feio, foi uma confusão, quando crescemos e o irmão dele nasceu as coisas melhoraram um pouco, passamos a ser primos, mas nunca fomos amigos, isso me ensinou muito sobre relacionamentos, só a alguns anos atrás que eu deixei pra lá, ele não é meu amigo quem perde é ele, somos primos quando a gente se vê ele me abraça da um beijo, não é que seja falso mas é só o que ele faz com toda a família, uma vez a gente se encontrou numa festa kkkkkk aquilo sim foi falso huahauhaahuahua ele me viu e falou E ai o/ e eu falei E ai o/ e cada um foi pro seu lado. Sei lá é uma coisa que nunca vou entender. 

Mas o que aprendi é que você não pode forçar ninguém a ser seu amigo, isso vem de dentro e quando não é sincero da pra perceber. E que amigos dentro da família é muito raro, mas quando existem são muito especiais.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Eu tenho...

Eu tenho pensando em escrever muitas coisas mas como a maioria das coisas na minha vida no momento eu só penso, eu tenho um temperamento difícil as vezes sou impulsiva e as vezes me irrito fácil, por isso desde criança eu sempre fiz um exercício de cabeça fria, parar e pensar sempre, mas nos últimos anos isso se tornou um problema, porque eu penso em todas as possibilidades pra me preparar para o pior e poder reagir de forma adequada, mas isso faz com que eu acabe me preocupando com o pior, que provavelmente não vai acontecer. 

Eu sempre pensei muito antes de agir, e foi pensando muito que cometi um grande erro, um erro que eu faria de novo, mas esse erro teve grandes conseqüências pra mim e me deixou em xeque contra mim mesmo, porque muitas coisas que eu acreditava que eu era eu tinha traído, eu me trai, e acho que ainda não aprendi a lidar com isso. Desde lá é só o que tenho feito, eu tenho me traído. Acho que esse é o problema da certeza, você tem certeza que nunca vai agir de uma forma, ai você vai lá e faz, e toda aquela certeza vai por água a baixo, quem eu sou, pra onde vou, que drama. 

Eu tenho que me perdoar, mas é difícil. Eu to quebrada, eu me quebrei e não sei se foi quando isso aconteceu ou antes, mas tem algo em mim faltando, aquele fogo, aquele querer, porque eu não sei o que quero, acho que não confio mais em mim pra saber o que quero. Eu quero tantas coisas, eu quero ler mil livros, eu quero jogar mil jogos, quero conhecer milhões de pessoas, quero ajudar, eu gosto de ajudar, fico feliz quando ajudo, mas eu já trilhei alguns caminhos e todos eles levaram pra direções diferentes. 

Me vejo numa encruzilhada cheia de estradas para serem seguidas mas eu não sei qual seguir, e dizem escolha uma e vai. Mas e se for a errada?  Eu gosto de musica, gosto de cantar, mas isso não é pra mim. Não gosto de chamar atenção apesar de gostar de atenção, confuso. To num ponto, em que tenho que dizer quem eu sou e trabalhar em cima disso, mas eu não sei. Não posso dizer nem o que não gosto, tive um pesadelo uma vez que trabalhava num museu, foi horrível, falei que nunca trabalharia num museu, acabei por trabalhar em um e chorei quando tive que sair porque acabou o contrato. 

O Tempo ta passando e eu to me escondendo, não que seja realmente possível se esconder do tempo. Alguém roubou minha coragem e vontade, e sinceramente, não posso esperar que alguém me devolva elas, tenho que buscá-las, mas não sei onde estão. Tenho que confiar em mim, mas não sei se posso. Tenho que acreditar, mas não sei em que. Eu tenho.

----------

Ps: Eu adoro escrever também mas me distraio fácil e esqueço disso o/

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Músicas

Interessante o poder das músicas, elas marcam, fazem você se emocionar. Quando você ta triste e escuta uma música que se encaixa com o momento, provavelmente depois que tudo passar, aquela musica vai se transformar numa lembrança que vai evocar a sombra daqueles sentimentos, e felizmente quando o momento é feliz a reciproca é verdadeira.

Eu pensava que a partir do momento que a música marca, já era ela estaria pra sempre ligada aquela memória, lembrança, sentimento. 

Mas hoje, agora, acabei de descobrir que não é assim, até isso muda, tem uma música que ouvi muito que fazia muito sentido com que passei a muito tempo e agora ouvindo essa música, ela não traz mais aquele sentimento, na verdade ela se encaixa com o momento que tenho vivido agora, tão bem quanto se encaixava antes, e mais uma vez a música me da um up, como deu naquele momento no passado.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Sobre a vida

Pensando sobre a vida, a vida não é certa, não é errada, não é perfeita, nem imperfeita, a vida é. 
A vida é sua, você faz o que quiser com ela, você pode ser o herói, você pode ser o vilão, você pode ser a vitima, pode ser o cara que da a volta por cima ou não, mas a sua vida é sua e de mais ninguém.

Quando a gente é pequeno os adultos passam pra gente que o ciclo da vida é, ter que estudar, entrar na faculdade, terminar a faculdade, consegui um emprego, casar, ter filhos, com sorte você pode ate viver o suficiente pra ver os netos e um dia você morre e acaba a historia. Isso é assustador, você ta no inicio da viagem e já ti falam como vai terminar e não parece um final feliz. Mas não é só isso, essa é uma forma muito simples de sistematizar a vida, o ser humano é uma criatura tão complexa e cheias de vontades, que não é só isso. 

Cada dia é valido, cada choro, cada riso, cada dia de preguiça, isso é vida, é lógico que você pode querer mais, mais adrenalina talvez, mais poder, sucesso, isso é de cada um, a questão é que isso esta em suas mãos. No meu ver a vida sempre vale a pena, acredito no ditado de enquanto estiver respirando há esperança, porque em quanto você respirar, você pode mudar se não o mundo, o seu mundo, fazer acontecer, e digo mudar se você quiser, se não quiser, se ta bom do jeito que ta, então deixa como esta. Mas se não estiver, viva, faça algo.

Nos somos responsáveis pelas nossas vidas, por mais que se deseje colocar a culpa no outro, no fundo sabemos que escolhemos, escolhemos fazer ou deixar de fazer, escolhemos acomodar ou lutar, chega uma hora que se você quer mudar é preciso parar de colocar a responsabilidade em outra pessoa, seja os pais, namorado, caso, filhos, trabalho, é necessário assumir a escolha feita e se necessário mudá-la.

A vida não é justa, nem injusta, ela é a vida, o que é necessário, é vive-la.